O Hino de Amor

CONVERSÃO
SANTIDADE

 

1. Deus nos chama à conversão.

2. Os três estágios ou subidas que nos elevam à santidade

 

1. Deus nos chama à conversão

 

Vassula diz: “O sacrifício que Deus nos pede hoje é a conversão do coração. Ele deseja a profunda conversão dos nossos corações, a fim de que vivamos uma vida de oração contínua. Quer-nos perfeitos, como Ele é Perfeito”.

O Senhor nos diz: “Sede perfeitos, como é Perfeito o vosso Pai que está nos Céus!” 10.01.89).

Ele nos convida a sairmos do caminho dos vícios (orgulho, avareza, inveja, ira, luxúria, gula, preguiça) e a entrar no caminho das virtudes (humildade, generosidade, amor, gentileza, autocontrole, temperança, zelo).

Satanás está nos atacando, sujando a imagem que Deus nos concedeu...

Logo no início, Jesus pediu-me com insistência que mudasse a minha vida e vivesse santamente. Fez-me compreender que nós não podemos viver duas vidas. Não podemos alimentar dois amores. Temos que escolher. Não podemos ser a morada do Espírito Santo e, ao mesmo tempo, conservar dentro de nós, onde o Espírito habita, as nossas paixões. Ele Mesmo diz nas Mensagens: "Eu não quero encontrar, em vós, qualquer rival”. A conversão não deve nunca parar, deve ser como uma escada, cada degrau é um passo acima em direção ao Céu.

Nossa Senhora diz: “Enquanto lutardes para serdes alguém, o Espírito de Santidade, que quer viver em vós, será sufocado pela vossa rivalidade. Não permitais ao vosso espírito que se torne um rival de Deus; fazei-vos pequeninos, a fim de que Ele cresça; permiti ao Seu Espírito que vos forme deste modo, no Caminho da Santidade. Lembrai-vos de que humildade, docilidade e abnegação de si mesmo, são as virtudes essenciais que agradam a Deus; e, com elas, vos tornareis pobres em espírito e, portanto, irrepreensíveis.
“Amadíssimos filhos, Jesus foi humilde, mesmo ao ponto de aceitar a morte. Não sejais nunca daqueles que dizem:
"Eu tenho tudo, sei tudo; e, por isso, não preciso dos conselhos de ninguém". Permanecei pobres, sede pobres e, desse modo, Deus, na vossa pobreza, poderá reinar e ser Rei em vós. Não consintais à vaidade que vos domine. Eu rezo, para que cresça a vossa santidade, n'Aquele que vos criou e cresça o vosso amor pelos outros, até transbordar, para purificar este mundo da maldade e da apostasia”(18.03.91).

 

2. Os três estágios ou subidas que nos elevam à santidade

 

Desapego, impassibilidade e intransitabilidade são virtudes angelicais.

O Senhor nos diz: “Se permitirdes ao Meu Espírito Santo que vos invada, Ele pode transfigurar a vossa alma de um deserto num jardim (desapego), onde Eu possa descansar em vós; Se permitirdes, o Meu Espírito Santo pode transfigurar a vossa alma num palácio (impassibilidade), onde Eu possa ser Rei e reinar sobre vós; Se permitirdes que o Meu Espírito Santo transforme a vossa alma, Ele a transformará num Céu (intransitabilidade), onde Eu posso ser glorificado”.

Nossas almas podem ser transfiguradas de um deserto num jardim, de um jardim num palácio e, de um palácio, num céu na terra, pelos degraus do desapego e da impassibilidade, afastando-nos das paixões deste mundo, e submetendo a nossa vida a Deus.

O desapego é o primeiro passo: é morrer para si mesmo, morrer para os próprios desejos, e também para todas as coisas materiais às quais uma alma pode estar apegada.

A impassibilidade é um mais alto grau de perfeição, no qual a alma é libertada das paixões terrenas, tem uma aversão a todas as coisas mundanas, uma aversão a todos os pensamentos maus e às ações más, e se deixa conduzir para os altos graus de contemplação. É uma rejeição total do mal. O Espírito Santo descreve este estado, dizendo: “E, muito embora tu venhas a estar sempre entre os homens, o teu espírito estará no Céu; e, embora o teu corpo se venha a mover entre os homens, a tua alma e o teu espírito serão como os dos anjos...
Ensinar-te-ei a viver em Nós, a movimentar-te em Nós e a respirar em Nós…
” (25.10.95).

Intransitabilidade é o mais alto grau de perfeição da alma, é um aspecto mais amplo da impassibilidade, um desapego da luxúria e da paixão, dos prazeres e desejos da carne.

Deve-se entregar o próprio coração ao Senhor para que Ele o molde, para que Ele conduza a alma de purificação em purificação.

 

­